segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Romance, músicas de amor e outras coisas

Claro, eu deveria falar sobre isso, afinal esse blogue se chama mesmo amor e seus objetos. E os objetos do amor? Talvez sejam essas porcarias que eu ando vendo e ouvindo. Vocês já viram antes do amanhecer? É deprimente! Tão desesperadamente irreal que você se sente ultrajado. Merda, amor não é isso (deve ser objeto do amor, então).
Música. Bom, acho que a primeira música do mundo era uma música de amor. Parece que uma coisa tem um valor intrínseco dentro da outra, co-dependência, sei lá. Não é breguice, é uma circunstância factual. Até os Mamonas Assassinas tinham uma música de amor.
Cansei de ficar rodeada dos objetos do amor.
Se é que eles são realmente isso.

6 comentários:

Z disse...

Soh me apresentando como um ser que le o seu blog sempre anonimamente. Resolvi hoje falar algo...

vina apsara disse...

Quem é você?
Será que gosta do que anda lendo por aqui?

helder disse...

"Antes do Amanhecer" e "Antes do por so sol" são otimos filmes! Não vejo neles nada de deprimente. Quanto a serem irreais ou não, isso pouco importa: é cinema.

vina apsara disse...

Acho que importa sim. Você tem que aceitar a verassidade ou a ausência dela no filme, compactuar com ela. Essa é a condição para a comunicação entre a tela e o espectador.

helder disse...

Há verassidade no filme. Existe uma lógica dentro da situação exposta. Um filme pode ser completamente irreal e ainda assim perfeitamente verrossímel dentro do universo apresentado. Ou não?

vina apsara disse...

Talvez o Senhor dos Anéis...