domingo, 16 de março de 2008

sonho

Pensei em fazer uma republicação dos grandes momentos deste blogue, pra convencê-los (e a mim também) de que já existiram momentos melhores. Em vez disso, entretanto, vocês terão mais uma sessão do horripilante vinadrama.

Hoje eu tive um pesadelo (de verdade). Estava numa espécie de cidade, com uns muros muito altos e umas ruelas estreitíssimas, onde você anadava pela parede mesmo para chegar nos andares mais altos. Eu precisava encontrar um livro, pra uma pesquisa importante. O interessante é que a pesquisa que eu fazia no sonho parecia muito mais séria e útil do que a que eu estou realmente fazendo. Ah, agora me lembro, era uma mistura estranha entre aquele filme que ninguém gosta do Johnny Depp - não é o da Janela, é aquele do livro do demônio, O Último Portal - com um filme que eu sempre achei que fosse O dia do Chacal e que eu só vi pela metade. Especialmente, este último, porque a atmosfera da cidade ruelas era apocalíptica. Não tinha ninguém nas ruas...

(pensando bem, esse sonho pode fazer parte de uma trilogia. tenho um sonho famoso, sensação nas festas de aniversário do Lira, sobre o Balrogue do fim do universo)

... e eu procurando desesperadamente um livro entre os escombros. Um daqueles medievais sobre o demônio e essas coisas. (eu li esses dias que um padre fez uma compilação de textos sobre o bicho-ruim. engraçado que esses caras sempre se metem em umas neuroses muito únicas). Certo. Encontrei o livro. E como naqueles filmes de heróis, por trás de uma grande estante destruída sai o vilão. Era um carinha.

DRAMATIS PERSONAE:
ALTER-EGO QUIMÉRICO, mulher, pelos vinte anos, o resto é auto-explicativo
CARINHA DO MAL, homem, do mal, curiosamente não filiado com os deuses do baixio

NOITE. ESCOMBROS DA CIDADE APOCALÍPTICA.
CARINHA DO MAL: (risada maligna)
ALTER EGO: (surpresa fatal. medo. mudez. aparência de reconhecimento de auto ingenuidade. frustração com o universo. falta de fé na humanidade. medo.)
CARINHA DO MAL: Há, adivinha só? PUBLIQUEI A SUA PESQUISA! (mais risada do mal)
O LIVRO MISTERIOSAMENTE SOME DA MÃO DE ALTER EGO.
ALTER EGO: .... (reinicia o ciclo anterior).
IGUALMENTE MISTERIOSO, CARINHA DO MAL DESAPARECE NO MAIS FINO AR.
Alter ego sai correndo por meio dos escombros (ainda é possível caminhar nas paredes) procurando um amigo, que seria, na verdade, uma das últimas pessoas que eu realmente procuraria num momento desses.
ALTER EGO: Fulaaaaaaaaaano, Fulaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaano!
Depois de muitas horas de histeria aleatória, Alter, como é conhecida pelos amigos, avista o amigo distante, em uma janela, no meio dos escombros.
ATO II
DRAMATIS PERSONAE
ALTER, criatura desacreditada da raça humana, secretamente cogitando seu suporte às forças do mal, para que elas dêem relamente cabo deste tipo de existência a que ela, infelizmente, pertence.
FULANO, colega de Alter, recém chegado da França, que aprendeu a cozinhar nos útimos meses, contra a expectativa geral, incluído neste sonho por algum estranho processo inconsciente
CARA DO MAL.
DIA NUBLADO, NO MEIO DE UMA RUA PARTICULARMENTE GRANDE EM UM MUNDO ONDE SÓ HÁ RUELAS - ALGO PARECIDO COM AS CENAS FINAIS DE OS INCRIVEIS
ALTER: Fulaaaaaaaaano, O cara do mal roubou meu....
INEXPLICAVELMENTE, O QUADRANTE DO LADO DE FORA DOS ESCOMBROS, ONDE ESTÁ MEU ALTER EGO, MISTERIOSAMENTE SE ENCHE D'ÁGUA E IMPEDE-O DE REVELAR O GRANDE E ATERRADOR SEGREDO.
FULANO PARECE NÃO SE DAR CONTA DE NADA, DE DENTRO DOS ESCOMBROS.
DE FORMA IGUALMENTE INEXPLICÁVEL, CARA DO MAL PARECE PLANAR SOBRE O SUFOCANTE ALTER.
CARA DO MAL: (riso do mal)
ALTER: glub! glub! glub!
CARA DO MAL: (irônico) Há, você acha que ainda dá tempo de salvar-se, alter ego quimérico? (riso do mal) Você sempre foi muito ingênua mesmo... Há! Isso é que dá gostar demais das pessoas...
das pessoas...
Das pessoas. E o sonho termina aí.

2 comentários:

vina apsara disse...

aparentemente o blogger está censurando os meus espaços.

vive la resistance!

Virgínia disse...

Caramba, Raquel, que sonho terrível... mas realmente a explicação psicanalítica explica muita coisa!
Beijos,
Vir
Obs: espero, sinceramente, que não seja uma trilogia e que nada parecido com isto se repita com você!