terça-feira, 9 de setembro de 2008

dos galhardões

Boa noite, gente. Não tô conseguindo me organizar pra postar aqui direito - que dirá para outras coisas mais importantes, que ~curiosamente sempre estão bem abaixo da lista de prioridades - por isso eu tive essa feliz idéia de escrever agora que eu tô meio bêbada e desconfortável. Mas é que não posso deixar passar esse timing perfeito do último babado: o anúncio dos finalistas do prêmio Jabuti e do Portugal Telecom. A folha já comentou algo altamente pertinente, qual seja, que as listas compartilham 4 finalistas. Mas o climão não termina aí. Pensando que os prêmios servem, entre outras coisas, para divulgar e descobrir novos artistas e assim renovar o nosso empoeirado cânone, vai a pergunta: o que diabos gente como o Lobo Antunes e o Chacal está fazendo aí, meu deus? E a resposta é a mesmíssima da questão que envolve o aparecimento de Julian Fuks entre os colocados e faz que a lista de melhor livro de crítica literária seja a que segue:

Teoria e crítica literária"Proust: A Violência Sutil do Riso"Leda Tenório da Motta Perspectiva
"Dom Quixote - A Letra e os Caminhos"Maria Augusta Da Costa Vieira (org.)Editora da USP
"A Formação do Romance Inglês: Ensaios Teóricos"Sandra Guardini VasconcelosAderaldo & Rothschild Editores
"Riso e Melancolia"Sergio Paulo Rouanet Cia das Letras
"Orgulho de Jamais Aconselhar - A Epistolografia de Mário de Andrade"Marcos Antonio de MoraesEditora da USP
"Poetas do Atlântico - Fernando Pessoa e o Modernismo Anglo-Americano"Irene RamalhoEditora UFMG
"Escritas de Si, Escritas do Outro: O Retorno do Autor e a Virada Etnográfica"Diana Klinger 7letras (Viveiros de Castro Editora)
"Além do Visível, o Olhar da Literatura"Karl Erik Schollhammer
"Ensaios Escolhidos"Augusto Meyer José Olympio
"A Comédia Intelectual de Paul Valéry"João Alexandre Barbosa Iluminuras

Já dá pra notar a estranheza gerada pela hegemonia absoluta das editoras de São Paulo. Mas, oquei, as editoras do país são majoritariamente deste estado. Mas... E serem quase todos da Universidade de São Paulo? Dá a impressão de que nada digno de nota ocorre no resto do país, reforçando a opinião hegemônica da USP e ocultando diversos fatos obscuros que, na verdade, são indício da regionalização absoluta do ponto de vista nacional oficial. Trocando em miúdos, não é à toa que a produção brasileira de, ã... tudo, desde pino de roda de caminhão até dança clássica védica, passando por um olhar genérico do que se chama literatura, é virtualmente paulista, paulistano e sãopaulino.

E o resto que se foda...

7 comentários:

LRP disse...

Dá até pra pensar que a menção à UFMG é drummoniana!

nai disse...

é que, na verdade, é sao paulo que carrega o brasil nas costas, ne gente... todo mundo sabe que o resto do brasil é, tipos, o resto...

Paulo Rená da Silva Santarém disse...

É o São-Paulo-centrismo, quem diria! Qualquer dia uma poetisa nordestina lança um par de aviões feito de cordel no MASP e no itaú cultural, aí eu quero ver o que vão fazer!

júlia disse...

orra que cê tem contra sãopaulino meu

Paulo Rená da Silva Santarém disse...

Só o fato de alguns deles se acharem o Brasil. Tipo a MTV "Brasil". Mas isso rola no Rio de Janeiro também. Não é nada exclusivo. E são-paulino é quem torce pro time de futebol, mina. ;)

júlia disse...

eu torço!

vina apsara disse...

eu sou vasco.

e não assisto mtv.