domingo, 20 de março de 2011



Mientras por competir con tu cabello,
oro bruñido al sol relumbra en vano;
mientras con menosprecio en medio el llano
mira tu blanca frente el lilio bello;

mientras a cada labio, por cogello.
siguen más ojos que al clavel temprano;
y mientras triunfa con desdén lozano
del luciente cristal tu gentil cuello:

goza cuello, cabello, labio y frente,
antes que lo que fue en tu edad dorada
oro, lilio, clavel, cristal luciente,

no sólo en plata o vïola troncada
se vuelva, mas tú y ello juntamente
en tierra, en humo, en polvo, en sombra, en nada.


QUANTAS VEZES uma pessoa tem que ler um poema de Góngora até entendê-lo? cem? mil? um milhão?

a verdade é que nós, meros mortais, não vamos NUNCA entender um poema de Góngora, ele é infinito: resistente e teimoso, nunca se revelará.

como charles aznavour cantando "la bohéme", um poema de Góngora nunca é o mesmo poema de Góngora -- as palavras, embora as mesmas, nunca correspondem, lembrando a todos que também nunca somos os mesmos.

Imagem: tiffany bozic, tirado daqui.

Um comentário:

LRP disse...

é esse que eu sei de cor e cada vez que o recito pra mim mesmo, quietinho no meu canto, é outra coisa.