sábado, 8 de novembro de 2008

de como overbook levanta minha moral

tava lá eu futicando pela internet, quando de repente dou de cara com... outro blogue da overbook! (vocês que não acompanharam a implicância com ela, cliquem aqui e aqui)

pra variar, TODOS os posts são ela reclamando das pessoas que têm a paciência de ler o que ela escreve. pra variar aquela velha atitude rebelde não-tô-nem-aí-pro-que-as-pessoas-pensam-mas-vou-ficar-perdendo-o-tempo-que-for-pra-dizer-o-quanto-elas-me-ofendem. pois é, cara. você escreve na internet e sai por aí como representante de todos os blogueiros do mundo. você publica quatro livros. você vende os direitos para um jovem cineastra promissor. fazem um filme inspirado em você. a atriz que te interpreta granha o maior prêmio de cinema do país. realmente, que vida dura!

Aqui em casa a moda agora é ficar tentando me convencer a responder emails. Nem que seja para apaziguar a necessidade de atenção do leitor com um "rara, é". Mas eu não consigo. Sabe por quê? Porque eu CANSEI DE ME EXPLICAR. Quer dizer, você vende os direitos do seu livro quando morava de favor na casa de um desconhecido oriental que havia sido transferido e emprestado seu vazio apartamento na época em que você usava McInternet para pegar seus emails (ME ABRAÇA, AMIGA), anos depois sai um filme de uma mulher que não faz UMA PIADA, quer MUITO COMEÇAR A ESCREVER UM LIVRO e APAGA CIGARROS NA PAREDE enquanto sofre e neguinho acha que sou eu. Aí eu tenho que passar meses recebendo emails de gente achando que é A MINHA VIDA E A MINHA HISTÓRIA, aqueles emails escritos com toda a convicção que gente de internet tem de que SABE E CONHECE TUDO A RESPEITO DE TUDO sem ter sequer visto a capa do livro em questão, só lido a resenha no jornal ou em algum BLOG. Aí quando a pessoa está em leve desequilíbrio e começa a responder mensagens de twitter equivocadas e a SE CADASTRAR EM FÓRUNS pra dizer "ESCUTAQUI," meses depois que a coisa toda já cala, o que dizem? Que ela quer ATENÇÃO. Que ela é DIFÍCIL. "ELA É UMA PESSOA DIFÍCIL". Quer dizer.



- vai, filha, seje artista na vida!

7 comentários:

júlia disse...

ô, quel, perseguir essa mina ainda vai te fazer mal, menina

cuida-te.

- -
(deixei comentários em posts antigos, hein, não se perca de mim)

:: disse...

ai, artistas...
todos eles com esse bom coração

vina apsara disse...

putz, julia... antes fosse minha essa perseguição! mas a mulher surge no meio de todas as coisas interessantes, sabe como é, né?

aliás, ela me faz me sentir bem, como diz o título do post, porque eu posso ser tudo nesse mundo, mas pelo menos tenho classe.

pois é, ju(liana), hoje em dia é melhor ficar em casa, escrevendo de boa do que sair por ai dizendo que é artista, mas gastando o tempo todo humilhando as pessoas que têm a paciência de te ler. porque ler é isso: parte paixão, parte paciência. alguém que leu quatro livros da mesma autora - e que autora! - tem um misto das duas coisas.

sei lá. acho que toda a discussão é essa atitude frente à leitura, principalmente no que diz respeito ao blogue. a clarah acha o blogue uma espécie de degrau para o livro. mas, na verdade, por que o livro tem que ser assim tão desejável? acho que tem a ver com o fato de ela nao pensar que as duas coisas, blogue e livro, sejam dois gêneros diferentes. e são! exatamente por coisas assim: no blogue, o leitor vai, pega o email da pessoa, escreve pra ela e tal - é uma relação muito mais próxima. o livro tem um quê de decorativo, de instrospectivo, mas ainda é o mais prestigioso.

enfim, endless...

Naiara disse...

quel, acho que são duas pessoas escrevendo nesse blogue aí: a averbook e aquela mina do tedouumdado. de repente vc ta implicando com a blogueira errada, sei lá =p

júlia disse...

acho super importante que se marque essa diferença equivalente entre blogue e livro.

equivalente.

aquele papo que o livro ia acabar, lembra? a gente da nossa idade nunca nem sequer cogitou essa possibilidade,

acho o blogue uma coisa maravilhosa, muito no que diz respeito de fazer nele só o que quer. eu tenho três em uso, imagina, isso sem contar os apagados. mas tem uma coisa do suporte não ser impresso que acaba com alguns textos. quantas vezes entro em um blogue, leio um poema, por exemplo, e não noto o texto, não consigo prestar atenção mesmo.

enfim, estou falando obviedades. vou cuidar da minha segunda.

beijo!

Paulo Rená da Silva Santarém disse...

Sobre blogs, eu acho que finalmente está se reconhecendo a internet como um espaço sério, assim como qualquer outro.

Há fósseis, e há quem não aceite. Mas tb há livros que não valem a tinta da impressão, então haverá blogs que se subvalorizam.

Eu nunca tinha ouvido falar na Overbook. Graças à Quel, pretendo continuar assim.

Ah, só para registrar, "te dou um dado" me revira o estômago.

vina apsara disse...

ah, sei lá. você pode bem discordar de mim e achar ela legal! tem muita gente que acha. muita gente não-eu.

acho que, aparentemente, todo mundo acha.